General terms

& conditions

 
English Version - Please find below the portuguese version

Title I – Portugal FinLab

1. Concept

 

PORTUGAL FINLAB is a communication channel between companies with innovative projects in the financial sector (including the insurance sector, the banking sector and the financial market instruments sector) and the Portuguese regulatory authorities, namely Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), Banco de Portugal (BdP) and Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) (henceforth "Authorities").

 

 

2. Objective

 

2.1 PORTUGAL FINLAB aims to promote the contact between the Authorities and the companies which operate or intend to operate in the Portuguese market during the conception and development of their innovative projects. This goal is expected to be achieved by ensuring the clarification of regulatory uncertainties, the reduction of the time-to-market of innovative products and the compliance of the innovative companies’ operations with the applicable regulation.

2.2 The support to applicant projects to PORTUGAL FINLAB will be, firstly, materialized by the direct contact with the Authorities after the application process and the follow-up given by them.  For the selected projects, the support will also be materialized through the issuance of the PORTUGAL FINLAB’s Report (henceforth “Report”) with a non-binding position that reflects the Authorities' understanding on the regulatory issues raised by the companies.

 

 

3. Addressees

 

3.1 PORTUGAL FINLAB is exclusively addressed to companies with innovative technology-based projects in the financial sector which are established in Portugal or in any other foreign jurisdiction and seek to pursue its business activity in Portugal.

3.2 Those interested in participating in PORTUGAL FINLAB (henceforth “Applicants”) shall submit their application for the pitch day.

3.3 Applicants selected for the pitch day are given the opportunity to present their projects and regulatory questions to the Authorities and, if selected for participating in PORTUGAL FINLAB (henceforth “Participants”), their projects will be analysed by the Authorities.

 

 

4. Non-binding nature of the Authorities’ position

 

4.1. The Authorities maintain their full decision-making independence and their opinions in the context of PORTUGAL FINLAB do not bind them in future decisions, nor restrict or affect the legal requirements and the authorization, registration, constitution or transformation procedures needed for the conduction of Participants’ activity in Portugal.

4.2 Any analysis, opinion or statement produced by the Authorities in the context of the PORTUGAL FINLAB does not represent, and cannot be interpreted, as an approval of the Participants’ activity in Portugal.

 

 

Title II – Organizational Structure

 

5. Organizational Bodies

 

5.1. PORTUGAL FINLAB is comprised of the following structure:

a)     Operational Team;

b)     Technical Committee;

c)     Contact Authority;

5.2. In addition, an Advisory Committee will be constituted, composed of designated members of external entities and individuals, when deemed appropriate by the Authorities.

6. Operational Team

 

6.1. Each of the Authorities ensures the role of Operational Team, annually, on a rotating basis.

 

6.2. The activities to be performed by the Operational Team are as follows:

a)     To support the technological and operational component of the PORTUGAL FINLAB website, being the content management articulated between the Authorities, under the coordination of their respective communication offices;

b)     To coordinate promotional activities for PORTUGAL FINLAB, such as digital marketing (social networks and newsletters), networking events and press conferences;

c)     To ensure the function of treatment responsible towards the data holders, in the event of personal data processing operations, in accordance with the General Data Protection Regulation (GDPR) and related European or national legislation;

d)     For Applicant’s projects submitted to PORTUGAL FINLAB, to ensure the communication by e-mail to the following:

i)     Out-of-scope projects, informing that they do not fall within the competences of any of the Authorities;

ii)    Non-selected projects for the pitch day, which fall within the competences of one of the Authorities, indicating that they will be supported by a Contact Authority;

iii)   Selected projects for the pitch day, proposing the scheduling date for the project presentation and indicating their Contact Authority;

iv)   Selected projects for the pitch day but not selected for PORTUGAL FINLAB, informing them accordingly and indicating their Contact Authority;

v)    Selected projects for the pitch day and selected for PORTUGAL FINLAB, informing that their project will be analysed by the Authorities and indicating their Contact Authority;

e)     To monitor the status of the applications submitted within the scope of PORTUGAL FINLAB, namely if they are being screened, under analysis or completed;

f)      To schedule and organize the pitch day;

g)     To schedule the Advisory Committee’s meetings and contact its members, when applicable.

6.3. A detailed action plan shall be defined annually, identifying the activities to be carried out in the following year, namely the events, press releases, newsletters, marketing campaigns and the respective social media policy and supports, with an estimate of the material, technical and human resources needed for each Authority to assume its duties. This action plan shall have the agreement of the Authorities’ communication offices and consider the need of maintaining a similar performance each year, regardless of who is the Operational Team.

7. Technical Committee

 

7.1. The Technical Committee is composed of one member from each Authority and its composition will be published on the PORTUGAL FINLAB website.

 

7.2. The activities to be performed by the Technical Committee are as follows:

a)     Evaluate if the applications fall in PORTUGAL FINLAB’s scope, excluding the projects which do not fall within the competences of one of the Authorities;

b)     Evaluate and select the projects for the pitch day, according to the evaluation methodology set out in Title III;

c)     Revaluate the projects and select the ones for analysis by the Authorities, according to the evaluation methodology set out in Title III;

d)     Assign the selected projects for analysis to the sectorial competent Authority(ies);

e)     Indicate the Contact Authority for all the projects within PORTUGAL FINLAB’s scope (i.e. all applications referred to in 6.2 from ii) to v)).

8. Contact Authority

 

The Contact Authority is responsible for the analysis coordination of the projects that fall within PORTUGAL FINLAB’s scope, after the indication by the Technical Committee. It is also responsible for the notification by email to the Participants, with the following purposes:

a)     Request additional information or schedule meetings, when deemed necessary;

b)     Communicate the competent Authorities’ analysis result of the project presented on the pitch day, through the delivery of the Report.

9. Advisory Committee

 

9.1. The Advisory Committee is composed of external entities and individuals who, in the Authorities' opinion, may be relevant to the success of the PORTUGAL FINLAB initiative.

 

9.2. The choice of the Advisory Committee members is decided unanimously by the Authorities and will be published on the PORTUGAL FINLAB website.

9.3. The Advisory Committee may meet periodically or sporadically, upon request by the Operational Team, in order to provide advice on specific questions raised during the Authorities analysis of the selected projects.

9.4. The members of the Advisory Committee will only have access to non-confidential or uncharacterised information.

 

 

Title III – Evaluation Methodology

 

10. Evaluation Criteria

10.1. The projects that do not fall within the competences of at least one of the Authorities’ will be excluded.

10.2. The projects’ evaluation criteria are the following:

a)     Need for regulatory support;

b)     Innovative nature;

c)     Development status;

d)     Benefits and risks for the consumer and financial sector.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10.3. The positive and negative indicators included in the table above are merely exemplificatory. Other indicators might be applied during the evaluation for each of the criteria.

11. Evaluation Criteria Weight

 

The weighting coefficient for each criterion is the following:

a)     Need for regulatory support (25%);

b)     Innovative nature (25%);

c)     Development status (25%);

d)     Benefits and risks for the consumer and financial sector (25%);

12. Evaluation Scale

 

The evaluation scale for each criterion will range from 1 to 5 and corresponds to the following classifications:

a)     1 - poor

b)     2 - sufficient

c)     3 - average

d)     4 - good

e)     5 - excellent

Title IV – PORTUGAL FINLAB’s Operation

 

13. Stages

Each PORTUGAL FINLAB’s edition will have two batches, to be communicated in PORTUGAL FINLAB’s website, each comprising the following stages:

a)     Applications submission;

b)     Evaluation and selection of the applications for the pitch day;

c)     Notification to the Applicants selected for the pitch day;

d)     Pitch Day;

e)     Revaluation and selection of the applications for analysis by the Authorities;

f)      Notification to the Participants selected for analysis by the Authorities;

g)     Analysis of the projects and the regulatory issues raised by the Participants;

h)     Communication of the competent Authority(ies)’ analysis result to the Participants.

14. Applications submission

14.1. Applications are submitted at the PORTUGAL FINLAB’s official website, by filling the form available with the following information:

a)     Company's name;

b)     Company’s Número de identificação de pessoa coletiva (NIPC) (VAT Identification Number), Legal Entity Identifier (LEI) or  equivalent

c)     Access code for the Certidão Permanente do Registo Comercial (Online Certificate of the Commercial Registry) or equivalent;

d)     Head-office address;

e)     E-mail address;

f)      Telephone contact;

g)     Companies’ representative name;

h)     Profile of the company and an overview of the business;

i)      Profile of the management team, including relevant know-how and experience;

j)      Activities subject to financial regulation and/or licensing, in any jurisdiction, whether approved or pending approval, and identification of the respective licenses;

k)     Partnerships with companies (if applicable), including information from a), b) and l) and  description of their role in the business model;

l)      Details on the project, namely:

i)         Description of the project’s technical and business model;

ii)        Description of the project’s innovative nature, including related technology, target client profile and use cases;

iii)       Identification of the main challenges to implementation;

iv)       Identification of the regulatory questions;

v)        Pinpoint the specific area of business in the financial sector (e.g. wealth management, lending and credit, payments, data analytics);

vi)       Identification of the jurisdictions in which the company operates or seeks to operate;

vii)      Identification of the potential risks for the consumer and for the financial sector, and the aligned plan to mitigate them;

viii)     Identification of the potential benefits for the consumer and for the financial sector;

ix)       Identification of the project’s stage of development and potential funding sources.

14.2. In case the Applicant has a document or presentation already available (e.g. pitch deck or product deck [1]) which describes the project and provides part of the information above required in l), it may be attached in PDF format as a complement to the application.

[1] The pitch deck or product deck is a presentation that includes information about the company and/or product, typically used in interactions with investors or other companies. Within the framework of PORTUGAL FINLAB it can be used as a complementary means of information.

 

15. Evaluation and selection for the pitch day

15.1. The Technical Committee will evaluate all submitted applications for the pitch day, based on the

methodology set out in Title III.

15.2. The selection period of the Applicants for the pitch day will take place within 15 working days from the closure of applications submission date.

15.3. Applications with a score equal or above 3, calculated by simple averaging of the overall scores granted by each Technical Committee member, will be selected for the pitch day.

16. Notification of selection for the pitch day

 

16.1. All Applicants selected for the pitch day will be notified by e-mail on the working day following the end of the abovementioned period, thereby receiving indication of their selection, the pitch day scheduling and their Contact Authority.

16.2. Selected Applicants will be contacted by telephone in case the contact by e-mail is not successful, and are responsible for updating their contacts to the following e-mail address: info@portugalfinlab.com.

16.3. Selected Applicants are given 3 (three) working days (following the notification) to confirm their presence on the pitch day by e-mail to the abovementioned e-mail address.

16.4. In the event of non-confirmation as referred in the clause above, the application will be disregarded from PORTUGAL FINLAB.

16.5. Out-of-scope and non-selected Applicants for the pitch day will also be notified by e-mail, being the first informed that their project does not fall within the competences of any of the Authorities and the latter that their project will be shared with the Contact Authority.

17. Pitch day

 

17.1. The pitch day is a meeting day attended by the Authorities and the Applicants, for the latter to present their projects and regulatory questions and clarify any issues that the Authorities may have.

17.2. The presentation of each selected Applicant for the pitch day may not exceed 10 minutes, after which it will be open for discussion during a maximum of 20 minutes.

18. Revaluation and selection for analysis by the Authorities

 

18.1. After the presentation made on the pitch day, the Technical Committee will revaluate the applications, based on the methodology set out in Title III.

18.2. The selection period of the Applicants will take place within 15 working days from the date of the pitch day.

18.3. During the selection period, the Contact Authority may request additional information, clarifications or other relevant documents.

18.4. The 5 applications with the best scoring, equal to or higher than 3, calculated by simple averaging of the overall scores granted by each Technical Committee member, will be selected for analysis by the Authorities.

18.5. In the event of a tied score, the tie will be broken by vote of the Technical Committee’s members.

 

19. Notification of selection for analysis by the Authorities

19.1. All Participants will be notified by e-mail on the working day following the end of the abovementioned period, thereby receiving indication of their selection for analysis and their Contact Authority.

19.2. Participants will be announced on PORTUGAL FINLAB’s website.

19.3. Participants will be contacted by telephone in case the contact by e-mail is not successful, and are responsible for updating their contacts to the following e-mail address: info@portugalfinlab.com.

19.4. Participants are given 3 (three) workdays (following the notification) to confirm their participation on PORTUGAL FINLAB by e-mail to the following e-mail address: info@portugalfinlab.com.

19.5. In the event of non-confirmation as referred in the clause above, the position will be attributed to the non-selected Applicant with the highest score.

19.6. Non-selected Applicants for participating in PORTUGAL FINLAB will also be notified by e-mail.

20. Analysis

20.1. The analysis process begins with the presentation made by the Participants on the pitch day.

20.2. Following the pitch day, the competent Authorities will analyse the projects and identify the regulatory aspects which may, in whole or in part, impact or hinder their execution.

20.3. During the analysis period, the Authorities may require additional information, clarifications or other relevant documents.

20.4. Communication with Participants, in particular for the request of information and establishment of deadlines, will be made by the Contact Authority appointed for each Participant.

21. Communication of the analysis results

21.1. The result of the Authorities analysis will be communicated by the Contact Authority to the Participants in the form of a Report, within 25 working days after the Participant have been notified of the selection for analysis.

21.2. The above deadline is indicative and may be extended one or manifold if the projects submitted by the Participants are particularly complex and according to the convenience of the competent Authority(ies). In case of a deadline extension, the Participant(s) will be informed thereof by the Contact Authority.

21.3. Following the submission of the Report, a closing meeting with each Participant will be scheduled and attended by the Authorities involved on the analysis to address any persistent doubt and collect the feedback from Participants.

 

 

 

Title V – Final provisions

 

22. Jurisdiction

These Terms & Conditions are regulated under the Portuguese law.

23. Enforceability

These Terms & Conditions are applicable to PORTUGAL FINLAB’s second edition and will come into force on the date of publication on the website (www.portugalfinlab.org) until the termination of this edition.

24. Settlement of disputes

24.1. In the event of a dispute, the Applicants, the Participants and the Authorities agree to, firstly, resort to alternative dispute resolution mechanisms.

24.2. Should the means of alternative dispute resolution be insufficient, the dispute will be submitted to the exclusive jurisdiction of the competent court in Lisbon, expressly waiving any other court.

25. Privacy and Personal Data Policy

25.1. GDPR and related legislation are applicable.

25.2. According to the terms of Article 26 of GDPR, the data processing responsibility for marketing purposes, applications submission and information requests or other related purposes that fall within the PORTUGAL FINLAB’s scope, is joint and therefore each responsible party for the data processing shall comply with the information and access obligations established in the GDPR.

26. Confidentiality Statement

26.1. The Authorities, the Applicants, the Participants and any other parties involved in PORTUGAL FINLAB guarantee the confidentiality of all verbal or written information to which they have access by means of participation on the PORTUGAL FINLAB, with the exception of public information.

26.2. The Participants, or those acting on their behalf, guarantee the confidentiality of all analysis and opinions delivered or transmitted to them and may not refer to these, explicitly or implicitly, in such a way that may suggest that the Authorities have declared their compliance with Portuguese legislation.

27. Terms of Responsibility

Compliance with the regulatory requirements falls under the responsibility of the Applicants and the Participants, regardless of their participation in PORTUGAL FINLAB and the opinions shared with them by the Authorities.

 
Portuguese Version - Please find above the english version

Título I – PORTUGAL FINLAB

1. Conceito

 

O PORTUGAL FINLAB é um canal de comunicação entre empresas com projetos inovadores de base tecnológica para a área financeira (setor segurador, setor bancário e setor dos mercados de instrumentos financeiros) e as respetivas Autoridades reguladoras e de supervisão sectoriais, nomeadamente, a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), o Banco de Portugal (BdP) e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) (conjuntamente, “Autoridades”).

 

 

2. Objetivo

 

2.1 O PORTUGAL FINLAB tem como objetivo promover o contacto entre as Autoridades e as empresas que operam ou pretendem operar no mercado durante a fase de criação e desenvolvimento de novos projetos inovadores para o setor financeiro, promovendo o esclarecimento de dúvidas regulatórias, a consequente redução do time-to-market de produtos inovadores e potenciando a conformidade das operações de empresas inovadoras com a regulação aplicável.

2.2 O apoio aos projetos candidatos ao PORTUGAL FINLAB é, desde logo, concretizado no contacto direto com as Autoridades após a candidatura e no seguimento que por estas lhes é dado. Para os projetos selecionados será materializado através da emissão do Relatório PORTUGAL FINLAB (“Relatório”) com posição não vinculativa que reflita o entendimento das Autoridades quanto às questões regulatórias suscitadas pelas empresas.

 

 

3. Destinatários

 

3.1 O PORTUGAL FINLAB destina-se exclusivamente a empresas com projetos inovadores de base tecnológica na área financeira, sediadas em Portugal ou em outra jurisdição e que pretendam exercer atividade em Portugal.

3.2 Os interessados em participar no PORTUGAL FINLAB (“Candidato”) devem submeter a sua candidatura aos pitch day.

3.3 Os Candidatos selecionados para o pitch day têm a possibilidade de apresentar os seus projetos e respetivas dúvidas regulatórias às Autoridades e, no caso de serem selecionados para participar no PORTUGAL FINLAB (“Participante”), os seus projetos serão objeto de análise por parte das Autoridades.

 

4. Carácter não vinculativo da posição emitida

 

4.1. As Autoridades mantêm a sua total independência decisória e as posições formuladas no contexto do PORTUGAL FINLAB não as vinculam em futuras decisões, nem restringem ou afetam os requisitos legais e procedimentos de autorização, de registo ou de constituição ou transformação que sejam necessários para o exercício de determinada atividade por parte dos Participantes.

4.2 Qualquer análise, parecer ou afirmação produzida pelas Autoridades no contexto do PORTUGAL FINLAB não representa, nem pode ser interpretado, como uma aprovação da atividade dos Participantes em Portugal.

 

 

Title II – Estrutura organizacional

 

5. Órgãos

 

5.1. O PORTUGAL FINLAB é assente na seguinte estrutura orgânica:

a)     Responsável Operacional;

b)     Comité Técnico;

c)     Autoridade de Contacto;

5.2. Adicionalmente, será constituído um Comité Consultivo, composto por elementos designados de entidades e pessoas individuais externas, quando considerado adequado pelas Autoridades.

6. Responsável operacional

 

6.1. Cada uma das Autoridades assegura a função de Responsável Operacional, anualmente, em regime de rotatividade.

 

6.2. As atividades a assegurar pelo Responsável Operacional são as seguintes:

a)     Dinamizar a componente tecnológica e operacionalização do website do PORTUGAL FINLAB, sendo a gestão de conteúdos articulada entre Autoridades, sob coordenação dos respetivos gabinetes de comunicação;

b)     Coordenar ações de divulgação do PORTUGAL FINLAB, de marketing digital (redes sociais e newsletters), de eventos para networking e de conferências de imprensa;

c)     Assegurar as funções de responsável de tratamento perante os titulares dos dados, caso venham a ocorrer operações de tratamento de dados pessoais, nos termos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) e legislação comunitária ou nacional conexa;

d)     Para os projetos que submeteram candidatura ao PORTUGAL FINLAB, assegurar a resposta, por mensagem de correio eletrónico:

i)     aos projetos não enquadráveis no âmbito do PORTUGAL FINLAB, mencionando que não se enquadram no contexto das competências de nenhuma das Autoridades;

ii)    aos projetos que não foram selecionados para pitch day, mas que se inserem na competência de alguma das Autoridades, indicando que serão encaminhados para a Autoridade de Contacto;

iii)   aos projetos selecionados para pitch day, propondo o agendamento de uma data para apresentação do projeto e indicando qual a Autoridade de Contacto;

iv)   aos projetos selecionados para pitch day e que não tenham sido selecionados para o PORTUGAL FINLAB, informando-os desse facto  e indicando que serão encaminhados para a Autoridade de Contacto;

v)    aos projetos selecionados para pitch day e que tenham sido selecionados para o PORTUGAL FINLAB, confirmando que serão objeto de análise pelas Autoridades e indicando qual a Autoridade de Contacto;

e)     Acompanhar o estado dos pedidos admitidos no âmbito do PORTUGAL FINLAB, nomeadamente, se estão em triagem, em análise ou concluídos;

f)      Agendar e organizar o pitch day;

g)     Quando aplicável, agendar as reuniões do Comité Consultivo e contactar os respetivos membros.

6.3. Anualmente deve ser definido um plano de ação detalhado por atividade a executar no ano seguinte, nomeadamente dos respeitantes a eventos, comunicados, newsletters, campanhas de marketing e respetivos suportes e política de redes sociais, com uma estimativa de recursos materiais, técnicos e humanos de cada uma das Autoridades de supervisão para a assunção das respetivas tarefas, o qual deve: (i) merecer o acordo dos três gabinetes de comunicação; e (ii) ter em conta a necessidade de manter um desempenho semelhante em cada ano, independente de quem assume a função de Responsável Operacional.

7. Comité Técnico

 

7.1. O Comité Técnico é composto por um elemento de cada Autoridade, sendo a sua composição divulgada no website do PORTUGAL FINLAB.

 

7.2. O Comité Técnico tem como funções:

a)     Avaliar se as candidaturas se enquadram no âmbito do PORTUGAL FINLAB, excluindo os projetos que não se enquadrem nas atribuições de pelo menos uma das Autoridades;

b)     Avaliar e selecionar os projetos para o pitch day, de acordo com a metodologia de avaliação prevista no Título III;

c)     Reavaliar os projetos e selecionar aqueles que seguem para análise pelas Autoridades, de acordo com a metodologia de avaliação prevista no Título III;

d)     Alocar os projetos selecionados para análise à(s) Autoridade(s) sectorialmente competente(s);

e)     Indicar a Autoridade de Contacto para cada candidatura enquadrável no âmbito do PORTUGAL FINLAB (i.e. as candidaturas referidas nos pontos ii) a v) da alínea d) do número 6.2).

8. Autoridade de Contacto

 

A Autoridade de Contacto tem como função coordenar a análise dos projetos admitidos ao PORTUGAL FINLAB e contactar os Participantes, após a indicação pelo Comité Técnico, nomeadamente através de mensagem de correio eletrónico para os seguintes efeitos:

a)     Solicitar informação adicional ou de agendamento de reuniões, quando necessário;

b)     Comunicar o resultado da análise das Autoridades competentes ao projeto apresentado no âmbito do pitch day, através de envio de Relatório.

9. Comité Consultivo

 

9.1. O Comité Consultivo é composto por entidades ou pessoas individuais externas que, no entendimento das Autoridades, tenham relevância para o sucesso da iniciativa PORTUGAL FINLAB.

 

9.2. A escolha dos membros do Comité Consultivo é decidida unanimemente pelas Autoridades e é divulgada no website do PORTUGAL FINLAB.

9.3. O Comité Consultivo pode reunir periódica ou pontualmente, mediante convocação do Responsável Operacional, designadamente em antecipação do pitch day para aconselhar as Autoridades em questões concretas decorrentes da análise dos projetos selecionados.

9.4. Os membros do Comité Consultivo apenas têm acesso a informação não confidencial ou descaracterizada.

 

 

Title III – Metodologia de avaliação

 

10. Critérios de avaliação

10.1. Os projetos que não se enquadrem nas atribuições de pelo menos uma das Autoridades são excluídos.

10.2. Os critérios de avaliação dos projetos são os seguintes:

a)     Necessidade de apoio regulatório;

b)     Caráter inovador;

c)     Estádio de desenvolvimento;

d)     Benefícios e riscos para o consumidor e setor financeiro.

10.3. Os indicadores positivos e negativos contidos na tabela supra são exemplificativos, podendo ser aplicados outros indicadores durante a avaliação, para os diferentes critérios.

11. Ponderação dos critérios de avaliação

 

A ponderação dos critérios do número anterior é a seguinte:

a)     Necessidade de apoio regulatório (25%);

b)     Carácter inovador (25%);

c)     Estádio de desenvolvimento (25%);

d)     Benefícios e riscos para o consumidor e setor financeiro (25%).

12. Escala de avaliação

 

A escala de avaliação atribuída a cada critério de avaliação varia entre 1 e 5, correspondendo à seguinte qualificação:

a)     1 - “fraco”

b)     2 - “suficiente”

c)     3 - “médio”

d)     4 - “bom”;

e)     5 - “muito bom”

Title IV – Funcionamento do PORTUGAL FINLAB

 

13. Fases

Cada edição do PORTUGAL FINLAB tem dois momentos, os quais são divulgados no website do PORTUGAL FINLAB, cada um compreendendo as seguintes fases:

a)     Submissão de candidaturas;

b)     Avaliação e seleção das candidaturas para o pitch day;

c)     Notificação aos Candidatos selecionados para o pitch day;

d)     Realização do pitch day;

e)     Reavaliação e seleção das candidaturas para análise pelas Autoridades;

f)      Notificação aos Participantes selecionados para análise pelas Autoridades;

g)     Análise dos projetos e das questões regulatórias suscitadas pelos Participantes;

h)     Comunicação do resultado da análise da(s) Autoridade(s) competente(s) aos Participantes.

14. Submissão de candidaturas

14.1.  As candidaturas são submetidas no website do PORTUGAL FINLAB, após o anúncio de abertura de cada período de candidatura, mediante o preenchimento de um formulário que recolherá a seguinte informação:

a)     Firma ou denominação da empresa;

b)     Número de identificação de pessoa coletiva (NIPC), Legal Entity Identifier (LEI) ou outro equivalente;

c)     Código de Acesso à Certidão Permanente do Registo Comercial, ou equivalente;

d)     Morada da sede;

e)     Endereço eletrónico;

f)      Contacto telefónico;

g)     Nome do representante da empresa;

h)     Perfil da organização e resumo do negócio;

i)      Perfil da equipa de gestão, incluindo os domínios relevantes de conhecimento e experiência;

j)      Atividades desenvolvidas, em qualquer jurisdição, sujeitas a autorização/licenciamento no âmbito da prestação de serviços financeiros, e identificação das respetivas licenças (obtidas ou em processo de obtenção);

k)     Parcerias com outras empresas (se existirem) indicando a firma ou denominação e NIPC, ou equivalente, da(s) empresa(s), a relação com esta(s), o papel que desempenham no modelo de negócio e identificação das respetivas licenças (obtidas ou em processo de obtenção);

l)      Detalhe sobre os projetos objeto de candidatura:

i)         Descrição do modelo técnico e de negócio do projeto;

ii)        Descrição do caráter inovador do projeto, incluindo tecnologia envolvida, perfil do cliente alvo e casos de uso específicos;

iii)       Enumeração dos principais desafios enfrentados pelo projeto;

iv)       Explicitação das dúvidas regulatórias identificadas;

v)        Indicação da área do setor financeiro onde se enquadra o projeto;

vi)       Identificação das jurisdições onde o projeto será ou está implementado;

vii)      Identificação dos potenciais riscos para o consumidor ou para o setor financeiro, e qual o plano para mitigar esses riscos;

viii)     Identificação dos potenciais benefícios para o consumidor ou para o setor financeiro;

ix)       Indicação da fase em que se encontra o projeto e eventuais fontes de financiamento.

14.2. Caso os Candidatos disponham de um documento ou apresentação (por exemplo, um pitch deck ou product deck ) que descreva o projeto inovador e providencie parte da informação requerida na candidatura e descrita na alínea l), o mesmo poderá ser anexado em formato PDF como complemento à candidatura.

[1] O pitch deck ou product deck consiste numa apresentação que inclui informação sobre a empresa e/ou o produto. Esta apresentação é tipicamente utilizada em interações com investidores e outras empresas. No âmbito do PORTUGAL FINLAB pode constituir um meio complementar de informação.

 

15. Avaliação e seleção para o pitch day

15.1. O Comité Técnico procede à avaliação de todas as candidaturas submetidas ao pitch day, com base na metodologia prevista no Título III.

15.2. O período de seleção dos Candidatos para o pitch day decorrerá no prazo de 15 dias úteis a contar do fim do prazo para a apresentação das candidaturas.

15.3. As candidaturas que obtiverem pontuação igual ou superior a 3, por média simples das pontuações globais atribuídas por cada membro do Comité Técnico, serão selecionadas para o pitch day.

16. Notificação da seleção para o pitch day

 

16.1. Todos os Candidatos selecionados para o pitch day são notificados no dia útil seguinte ao fim do período referido no número anterior, através de mensagem de correio eletrónico, recebendo indicação sobre a sua seleção, informação sobre o agendamento do pitch day e qual a Autoridade de Contacto.

16.2. Caso seja impossível estabelecer contacto através de mensagem de correio eletrónico, os Candidatos selecionados para o pitch day são contactados por telefone, sendo da sua responsabilidade a atualização dos respetivos contactos através do endereço de correio eletrónico info@portugalfinlab.com.

16.3. Os Candidatos selecionados têm 3 dias úteis (após a notificação de seleção) para confirmar a sua presença no pitch day, através de resposta para o endereço de correio eletrónico info@portugalfinlab.com.

16.4. Na ausência da confirmação referida no número anterior, a candidatura é desconsiderada do âmbito do PORTUGAL FINLAB.

16.5. Os Candidatos não selecionados para o pitch day e os excluídos do PORTUGAL FINLAB são igualmente notificados através de mensagem de correio eletrónico, sendo, no primeiro caso, encaminhados para a Autoridade de Contacto e, no segundo, informados de que não se enquadram no âmbito das competências de nenhuma das Autoridades.

17. Realização do pitch day

 

17.1. O pitch day é um dia de reuniões nas quais participam as Autoridades e os Candidatos selecionados para este efeito, com vista à apresentação dos respetivos projetos e dúvidas regulatórias, bem como ao esclarecimento de eventuais questões suscitadas pelas Autoridades.

17.2. As apresentações a efetuar por cada Candidato selecionado para o pitch day não podem exceder 10 minutos, havendo posteriormente lugar a discussão até ao máximo de 20 minutos.

18. Reavaliação e seleção para análise pelas Autoridades

 

18.1. Com base no pitch day, o Comité Técnico reavalia as candidaturas, de acordo com a metodologia prevista no Título III.

18.2. O período de seleção dos Candidatos decorrerá no prazo de 15 dias úteis a contar da data de realização do pitch day.

18.3. Durante o período de seleção, a Autoridade de Contacto pode requerer informação adicional, esclarecimentos ou outros documentos relevantes.

18.4. As 5 candidaturas que tenham obtido pontuação mais elevada por média simples das pontuações globais atribuídas por cada membro do Comité Técnico, desde que essa média seja igual ou superior a 3, serão selecionadas para análise.

18.5. Em caso de empate, o desempate é feito por voto dos membros do Comité Técnico.

 

19. Notificação de seleção para análise pelas Autoridades

19.1. Todos os Participantes são notificados no dia útil seguinte ao fim do período referido no número anterior, através de mensagem de correio eletrónico, recebendo a indicação sobre a sua seleção para análise e qual a Autoridade de Contacto.

19.2. Os Participantes são anunciados no website do PORTUGAL FINLAB.

19.3. Caso seja impossível estabelecer contacto através de mensagem de correio eletrónico, os Participantes são contactados por telefone, sendo da sua responsabilidade a atualização dos respetivos contactos através do endereço correio eletrónico info@portugalfinlab.com.

19.4. Os Participantes selecionados têm 3 dias úteis (após a notificação de seleção) para confirmar a sua participação no PORTUGAL FINLAB, através de resposta para o endereço de correio eletrónico info@portugalfinlab.com.

19.5. Na ausência da confirmação referida no número anterior, a posição é atribuída ao Candidato não selecionado para análise com melhor pontuação.

19.6. Os Candidatos não selecionados para análise são igualmente notificados através de mensagem de correio eletrónico.

20. Análise

20.1. O processo de análise tem início com a apresentação efetuada pelos Participantes no pitch day.

20.2. Após o pitch day, as Autoridade(s) competente(s) procedem à análise de toda a informação recebida e à identificação de eventuais obstáculos regulatórios e pontos críticos para a implementação do projeto que possam, no todo ou em parte, ter impacto negativo ou constituir barreiras à sua execução.

20.3. Durante o período de análise, as Autoridades podem requerer informação adicional, esclarecimentos ou outros documentos relevantes.

20.4. A comunicação com os Participantes, nomeadamente para requerer informação e estabelecer prazos para a respetiva entrega, é efetuada pela Autoridade de Contacto alocada a cada Participante.

21. Comunicação do resultado da análise

21.1. O resultado da análise das Autoridades é comunicado pela Autoridade de Contacto aos Participantes sob a forma de Relatório, no prazo de 25 dias úteis após notificação de seleção para análise ao Participante.

21.2. O prazo acima referido é indicativo e pode ser prorrogado, uma ou mais vezes, no caso de os projetos submetidos pelos Participantes possuírem especial complexidade e em função de critérios de conveniência por parte da(s) Autoridade(s) competentes. Em caso de prorrogação do prazo, o(s) Participante(s) devem ser desse facto informados pela Autoridade de Contacto.

21.3. Após a entrega do Relatório, é agendada uma reunião de encerramento com cada Participante e com a presença das Autoridades envolvidas na análise, por forma a esclarecer qualquer questão e recolher a opinião dos Participantes.

 

 

 

Title V – Disposições comuns e finais

 

22. Jurisdição

O regulamento é regulado pela legislação portuguesa.

23. Aplicabilidade

Este regulamento é aplicável à segunda edição do PORTUGAL FINLAB e vigora desde a data da sua publicação no website do PORTUGAL FINLAB (www.portugalfinlab.org), até ao encerramento da edição.

24. Resolução de conflitos

24.1. Em caso de conflito, os Candidatos, os Participantes e as Autoridades acordam em recorrer, em primeiro lugar, a meios de resolução alternativa de litígios.

24.2. Não sendo possível alcançar uma resolução dos litígios emergentes com recurso aos meios previstos no número anterior, são competentes os tribunais portugueses, de Lisboa, com expressa renúncia a quaisquer outros.

25. Política de privacidade e de tratamento de dados pessoais

25.1. É aplicável o RGPD e legislação conexa.

25.2. A responsabilidade pelo tratamento dos dados pessoais para fins de marketing, receção de candidaturas, pedidos de informação ou outras finalidades conexas com as enunciadas no âmbito do PORTUGAL FINLAB é conjunta, nos termos do artigo 26.º do RGPD, pelo que cada responsável pelo tratamento cumpre com os deveres de informação e acesso enunciados no RGPD.

26. Declaração de confidencialidade

26.1. As Autoridades, os Candidatos, os Participantes e quaisquer outros envolvidos no processo de participação no PORTUGAL FINLAB garantem a confidencialidade de toda a informação, oral ou escrita, a que tenham acesso em virtude dessa participação, com a ressalva das informações de carácter público.

26.2. Os Participantes, ou quem atue em sua representação, garantem, em especial, a confidencialidade de todas as análises e pareceres que lhes forem entregues ou transmitidos, não podendo referir-se a estes, expressa ou implicitamente, de forma que sugira que as Autoridades declararam a sua conformidade com a regulação aplicável em Portugal.

27. Termo de responsabilidade

A responsabilidade pelo cumprimento dos requisitos regulatórios recai sobre os Candidatos e os Participantes, independentemente da sua participação no PORTUGAL FINLAB e dos pareceres que sejam partilhados com os mesmos pelas Autoridades.

​​

For any question contact info@portugalfinlab.com
The Organizers